O conceito de Comfort food se originou em 1977 nos Estados Unidos, sendo definido segundo o Webster’s Dictionary como”alimento gratificante, preparado de forma simples e tradicional, que lembra a casa, a família e os amigos” remetendo à nostalgia, à infância, sensação de conforto, aconchego que se sente com a memória do cheiro e sabor da preparação das refeições.

Surgiu em contraparte a mecanização no preparo dos pratos e a forma de consumir os alimentos, acreditando que não somente o que se come, mas também a forma como se come, tem grande influência na saúde. Portanto, hábitos como comer rápido demais, assim como não prestar atenção na comida e no próprio ato de se alimentar – que podem ser provenientes da ansiedade e da rotina compromissada do cotidiano – não são saudáveis e trazem desconfortos.

Esse tipo de comida, é aquela chamada de comida “de casa”, da mãe ou da avó, está totalmente ligada à infância e às memórias afetivas. Os restaurantes que servem comfort food estão em alta, contrários ao fast food e às receitas super elaboradas, pois a chave da culinária comfort é a simplicidade. Tudo para ser consumido com calma, trazendo bem-estar e saudosismo, além de conforto.

Conheça agora algumas categorias de Comfort Food:

Comidas de conforto físico

São aquelas cujas composição, temperatura, aroma, facilidade na mastigação e textura proporcionam bem-estar emocional e melhora no estado físico. Exemplos desse tipo de alimento podem ser: doces com cacauoleaginosas, banana, os chás, o café e bebidas alcoólicas, que têm ação comprovada química no cérebro.


Comidas nostálgicas

Essa categoria representa aqueles alimentos que são consumidos por pessoas que estão temporariamente afastadas de sua terra natal, como brasileiros que moram em outro país e têm vontade de consumir o típico prato arroz e feijão para sentir como se estivesse se reconectando à sua cultura de origem e ter a lembrança de estar com pessoas queridas, tanto no que diz respeito a partilha quanto a sua preparação.

É preciso ter cuidado, pois nossas emoções podem ser confundidas com a fome, transformando a comida em um meio de suprir ou mudar essa emoção. Logo, aprender a conhecer os próprios sentimentos, bem como as sensações físicas que determinam facilitam esse processo de auto avaliação como forma de controlar melhor a relação da comida com o conforto.


A importância do Comfort Food na quarentena

Quando as pessoas estão socialmente isoladas, como é o caso nesse contexto de pandemia da Covid-19, ou então apenas com a sensação de solidão, o consumo de alimentos associados às relações interpessoais que consideram importantes auxiliam, como afirma a Marcella Garcez, médica nutróloga e professora da Associação Brasileira de Nutrologia: “Por causa do momento inusitado de isolamento, muito favorável a instabilidades emocionais, o período de pandemia é muito propício para as pessoas buscarem conforto nas comidas e bebidas”.

Isso se reafirma em uma sociedade em que as pessoas são definidas pelo o que consomem de forma que, ingerir determinados alimentos funciona como um mecanismo de reforço identitário, fortalecendo o vínculo afetivo de pertencimento.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre esse conceito comfort food, conta pra gente quais são suas comidas afetivas favoritas!